• Agronault

A Jornada do Anti-Herói

Durante a elaboração de enredos e conceitos, uma fórmula eficaz e amplamente utilizada é a conhecida como "jornada do herói", trata-se do bom e velho conjunto de eventos que conta a história de um herói fraco que se desenvolve com treino e muito esforço, um herói que teve um passado triste e aprendeu com suas experiências a ter um forte senso de justiça, um herói que está a serviço daquilo que é correto por causas nobres, um herói que leva porrada e evolui para derrotar o inimigo malvadão. Apesar de clichê, essa fórmula continua a ser utilizada, justamente por garantir ao leitor maior imersão, maior reconhecimento com o personagem, pois muitos se vêem (ou querem se ver) com essas características em certo nível.

Uma proposta que acredito ser bastante atrativa é o total desenvolvimento da jornada de um anti-herói. Isso já foi muito tentado, é algo que se tornou o famoso "diferente clichê", entretanto, há formas de abordagem que podem ser melhor exploradas e que, ao meu ver, possuem enorme potencial adormecido.

Posso exemplificar com Naruto, sou fascinado pela história do Nagato desde que ele apareceu no mangá, o personagem possui uma construção magnífica e seu posicionamento moral inconvencional o garante uma densidade muito maior que a imagem comum do anti-herói, aliás, todos os membros da Akatsuki possuem essa característica em algum grau de seu desenvolvimento. Também gosto muito do Doutor Facilier, aquele homem inspirado no Baron Samedi que aparece na animação "A Princesa e o Sapo"(2009), há outros vilões densos, como a versão do Killmonger que foi adaptada para os cinemas no filme "Pantera Negra"(2018) e o Síndrome/Bochecha de "Os Incríveis"(2004), mas todos eles ainda são colocados em segundo plano, perdem em tela para os protagonistas.

Acredito que ainda há um ponto quase inexplorado, o do vilão protagonista. Sim, essa é a minha proposta, esse é o motivo de estar escrevendo esse texto, estou desenvolvendo um universo que é contado pela perspectiva do vilão, de forma que o observador se sinta conectado com o vilão ao mesmo tempo em que sente repúdio pelos seus atos. Não estou falando de vilão protagonista como foi o Thanos em "Vingadores: Guerra Infinita"(2018), trata-se de algo extremamente mais direto, quero fazer o jogador/leitor/espectador sentir repulsa ao acompanhar as ações do "herói" daquela história, provar que fatos podem ser distorcidos apenas com verdades de acordo com quem os narra, quero algo que busque aquele antigo sentimento de maldade pura aliada com a moderna estratégia do "vilão pelo trauma", e é por isso que estou criando esse personagem, espero finalizar mais detalhes em breve.

Esse é um conceito de sua aparência:

Protagonista, vilão sem escrúpulos, criminoso e vítima
(UND-02) conceito, imagem não final

.

21 visualizações0 comentário